A POESIA ESTÁ VIVA, MAS JURO QUE NÃO FUI EU

.
“Pesa em teu sangue a voz de ignoradas origens.

(…)

 .

A primeira inscrição em baixo-relevo

foi uma chicotada no lombo.”

Raul Bopp[1]

.

“A poesia existe nos fatos.”

Oswald de Andrade[2]

.

“A poesia é perdurável

quando é obra de todos.”

José Martí[3]

.

“É preciso caminhar

na escuridão e se encontrar

com o coração do homem,

com os olhos da mulher,

com os desconhecidos das ruas,

dos que a certa hora crepuscular

ou em plena noite estrelada

precisam nem que seja

 de um único verso…”

Pablo Neruda[4]

.

“Todo poema é, por princípio, um veneno antimonotonia.”

Eucanaã Ferraz[5]

.

“Ai, palavras, ai, palavras,

íeis pela estrada afora,

erguendo asas muito incertas,

entre verdade e galhofa,

desejos dos tempos inquietos,

promessas que o mundo sopra.”

Cecília Meireles[6]

. 

O tempo é muito curto para a poesia!

Ou, no mínimo, a poesia tem tirado férias. Não, não se trata do fatalismo que, na barbárie destes dias, se anuncia através das ondas da televisão em programas pseudojornalísticos, nas manchetes de jornais e revistas, nos cartazes fascistas em manifestações de rua, nas redes sociais. Não porque a barbárie também é matéria de poesia. E é tarefa do poeta ousar torneá-la no correr das horas de seu tempo – que é o único que terá.

Em 1924, Oswald de Andrade já alertava que, em matéria de poesia, “contra o gabinetismo, a prática culta da vida”[7]. Esta afirmação, que valeria também para a produção das ciências, da economia, da política, continua válida. É certo que a própria produção das saletas com pompa de olimpo caiu em qualidade nos últimos anos e não importa se pela perda do rigor, pela dispersão, pela superficialidade ou por simples caprichos da organização do Capital e seus subordinados. Seja lá pelo que for tais cubículos dos oráculos permanece estéril. E não, não se trata de uma manifestação leviana contra todos os trabalhos e dedicações acadêmicas.

Ocorre que a vida, essa coisa cotidiana e rotineira, essa tendência ao tédio e ao pragmatismo, essa contradição materializada em existência humana, ainda é a única matéria de onde pode ser extraída aquilo a que chamamos poesia. E muito provavelmente será a única.

Contudo, o tempo é pequeno para a poesia. É apertado, pois continuamos divididos e, como diria Carlos Drummond, nossos braços caminham sem mãos e executam obsenos gestos avulsos[8]. Afinal de contas, somos herdeiros de escombros sobre os quais arautos proclamaram o fim da História, do neoliberalismo, do individualismo levado ao seu ápice. Em tese, tal fim é o fim da humanidade. O fim da humanidade dá as mãos ao fim da poesia.

Minha geração, educada segundo tal evangelho, sente-se um pouco órfã do futuro, pois neste presente nebuloso e tacanho tentamos colar as peças de nosso passado, alicerce sobre o qual edificaremos nossos projetos. E que futuro é esse sem a possibilidade da poesia?

Mas se a poesia estiver morta, juro que não fui eu[9].

.

Escombros, esgotos, heranças

Como indivíduos, carregamos conosco 23 pares de cromossomos que delineiam nossa arquitetura biológica. Brasileiros, vestimos as cores das matrizes culturais que nos formaram e todas as outras que aqui vieram se refugiar ou angariar lucros. Somos um processo de povo que suporta as cicatrizes do genocídio, do estupro, da tortura, da escravidão – muitas vezes, infelizmente, as disfarçando sob máscaras, amnésias e alienações das mais diversas. Terra revolvida pela cruz, pela espada, pela chibata e pelas misérias.

A perspectiva de romper com esse ciclo de esfacelamentos pisa um pântano de escombros, de estrelas cadentes e profetas do apocalipse – afora a fauna vasta que anseia carcome-la uma vez por todas. A possibilidade de rompimento depende de conhecermos e reconhecermos nossa história, de nos afirmarmos brasileiros e, simultaneamente, irmos “contra as histórias do homem que começam no Cabo Finisterra”[10].

Cabe-nos resgatar os veios, os seixos e fissuras do soerguimento dos Andes que modelou esta América e nossa terra. Investigar nossos 40 mil anos de história não contada, desde as primeiras comunidades humanas a se fixar em Pindorama, antes, muito antes da primeira nau. Espraiar entre nós uma identidade cultural de características populares. Não como folclore, mas fator constitutivo e irrevogável, maior que o simples resgate de nossas matrizes de formação.

Maior que a tarefa dos bandeirantes de desbravar o oeste e colonizar esta terra, conhecendo e expropriando as riquezas e as vidas que encontrassem pela frente, cabe-nos desenterrar os vestígios daquilo que somos. Cabe-nos redesenhar e reativar Peabiru, transpor as fronteiras, os planaltos, cordilheiras e a língua que nos divorcia dos demais países latinoamericanos.

.

Delírio, unha encravada ou hemorroidas?

A poesia, em tese, não tem lado. O poeta, contudo, mesmo que não queira ou negue ferrenhamente entre hipérboles e rimas, as assume. Até porque, ao que parece a poesia não nasce da indiferença pela vida.

É fato que ninguém deixa de contratar um pedreiro porque este vota em algum candidato de origem libanesa, com grande capacidade de escapar de órgãos policiais e profeta de rotas corretas para as ruas. Nem mesmo de tomar um ônibus caso descubra que o motorista é assumidamente de direita. Ou, no mínimo, não há muito cabimento em fazê-lo, pois o fruto do trabalho delas não expressa, necessariamente, suas concepções de mundo. Espera-se de um pedreiro que faça bons serviços de alvenaria; de um cozinheiro, que cozinhe bem; de uma motorista, que dirija corretamente e com segurança. Contudo, como apesar de o trabalho organizar a vida humana, nem tudo na vida é trabalho, as concepções de mundo de uma pessoa interferem diretamente no modo como tal se relaciona com seu trabalho, com o produto deste, bem como nas suas relações de vida.

Assim, há poetas reacionários, como Fernando Pessoa, autores de poemas memoráveis e poetas revolucionários ou progressistas cujos versos são de qualidade duvidosa. Contudo, em ambos os casos, aparecem aspectos de sua ideologia na construção dos textos.

O poeta, pois, ao reivindicar um projeto de país, uma identidade cultural de cunho popular e defender uma realidade humana diferente, não está doente, nem se desviando da sua grande missão. Apenasmente anseia um mundo melhor, mais justo. Uma sociedade de iguais. Uma comunidade de irmãos e irmãs. Um mundo sem fronteiras. Um mundo sem classes sociais. Sonho este que é patrimônio dele e dos seus.

Neste sentido, de modo especial em períodos de maior polarização, não há como adotar uma postura de neutralidade – até porque, a neutralidade não existe. Desculpem-me todos os livres pensadores, mas é momento de tomar posição, é momento de tomar partido.

Em poesia esta luta também se trava, pois é hora de rever o modo de falar sobre a vida, o que falar da vida e para quem – não na perspectiva de excluir, mas de eleger prioridades e a estas ser coerente. Rever forma e conteúdo. Traçar uma proposta estética.

E não foi este ser que inventou a estreita ligação entre a poesia e a época à qual pertence.

.

Tupi our not tupi this is the question[11]

Há pouco tempo para a poesia, pois trabalha-se muito e ganha-se pouco. Desperdiça-se muito tempo no transporte público. Programas da televisão, a internet e redes sociais dispersam a atenção, afluem um mar de informações. As publicações são restritas e em pouco volume. Os caminhos da poesia se estreitam, tanto para quem lê como para quem produz. A poesia gera pouco lucro, é renegada.

Mas ela é teimosa, debate-se e encontra brechas.

Daí, tanto faz onde aparece o poema: no livro, no papel de pão, na internet. Publicar em um blog, por exemplo, passa da simples e abstrata questão de “utilizar novas ferramentas”.

Os primeiros poemas produzidos na tradição greco-romana foram transmitidos de forma oral. Muitos cantos de povos africanos e ameríndios foram transmitidos da mesma forma. Os primeiros textos e poemas que vieram a compor o que chamamos de Bíblia foram registrados em pergaminhos, após longo período de transmissão oral. O tempo passou e começaram a produzir livros manuscritos. Depois veio a prensa. No século 20 vimos poemas serem registrados em LP’s, em CD’s, serem convertidos em arquivos MP3. Conquistaram a esfera virtual, alçaram os patamares do livro digital. E quer queiram, quer não, os poemas estão aí.

Logo, a questão não se centra em qual mídia é mais adequada para sua apresentação, qual substituirá aquela ou outra. O formato em que ele interagirá com o outro (leitor ou ouvinte) depende do patamar em que estão as forças produtivas daquele momento. Se uma sobrepujará ou não a outra, dependerá dos interesses que o Capital possui sobre estas, quais seus lucros. Porque, não nos iludamos, quem manda no mundo é o Capital (exceção feita a leis naturais que ele não domina, mas das quais tira proveito).

.

Humana, apenasmente humana

Há quem diga que a poesia é um dom, que é uma inspiração que brota sabe-se lá de onde ou de quem. De experiência, sei que a perda do exercício diário de escrever e refletir sobre esta prática enferruja o cérebro, o léxico, as habilidades. Nos deixa quase que literalmente sem palavras, com as mãos desatadas.

A poesia não é uma entidade mística que nos penetra. É um sentimento humano desencadeado pelo jogo das palavras, das cores, das formas, das imagens, dos sons (que a poesia não habita monogamicamente com o poema); jogo este produzido por outro ser humano.

A capacidade de extrair poesia não é um dom particular, restrito, um privilégio. É a conjugação de uma herança genética talhada pelas condições culturais, sociais, políticas, históricas e ambientais às quais foi exposto o indivíduo – ao qual convencionou-se chamar poeta, lapidada pelo exercício da prática, pelo estudo da técnica, pela leitura constante, pela reflexão crítica e consciente sobre aquilo que faz e produz.

Lampejos momentâneos de possibilidades, aos quais dá-se o nome “inspiração”, são um micrômetro do processo.

Jogar a poesia no chão assusta alguns às vezes. Por isto, aqui, deu-se preferência a resgatá-la como herança, do seio de escombros e esgotos. O tempo é curto para a poesia, mas ela está viva.

Está viva porque a vida em si não basta.


[1] BOPP, Raul. Poesia completa. São Paulo: Edusp, 1998.

[2] ANDRADE, Oswald de. Manifesto da poesia pau-brasil. Correio da Manhã, 18 de março de 1924

[3] MARTÍ, José Julián. Versos sensillos. Porto Alegre: SBS, 1997. Tradução: Sidnei Shneider.

[4] NERUDA, Pablo. Confesso que vivi. São Paulo: DIFEL, 1974. Tradução: Olga Savary.

[5] FERRAZ, Eucanaã. Veneno antimonotonia: os melhores poemas e canções contra o tédio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

[6] MEIRELES, Cecília. Romanceiro da inconfidência: crônica trovada da cidade de Sam Sebastiam. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

[7] ANDRADE, Oswald de. Manifesto da poesia pau-brasil. Correio da Manhã, 18 de março de 1924

[8] Trecho inspirado no poema Nosso tempo, de ANDRADE, Carlos Drummond de. A rosa do povo. Rio de Janeiro: Record, 36ª ed., 2006

[9] Frase inspirada no poema Acima de qualquer suspeita, de PAES, José Paulo. Melhores poemas. São Paulo: Global, 3ª ed., 2000

[10] e [11] ANDRADE, Oswald de. Manifesto antropófago. Revista de Antropofagia, Ano 1, n. 1, maio de 1928

7 responses »

  1. Caracas Jonathan. Parabéns. O espaço aqui pra comentar não é nada mais do que para parabenizar né, chega a ser desconcertante a qualidade da sua escrita, o grau de percepção e a organização das suas idéias. Parabéns novamente.=]

    • Renan,
      É um prazer reencontrar na vida pessoas que marcaram nossa história.
      Muito obrigado por seu comentário. E volte sempre.
      Um forte abraço,
      J.

  2. Passaram-se 6 anos de versos na linha do tempo e com o passar deste tempo, pude ser agraciada pela paixão por leitura. Hoje, leio seus poemas com um orgulho descomunal por ter sido sua aluna!
    Pelo pensamento crítico, pelo vocabulário, pelo constraste e ritmo, por sua garra de batalhar para ter vida e voz, proclamando suas linhas tênues e enchendo o mundo desta arte tão magnífica:escrita. Meus sinceros parabéns!

  3. Parabéns pelo texto.
    Li e gostei.
    quantas vozes antes de mim
    falam em minha voz
    quantos rios de sangue
    irrigam a impossível poesia
    presa em nós

    de todos ignoro a exata forma
    a surpresa originária da mesma imensa foz

    • Olá caro João,
      Nesta manhã, após um longo período de silêncio, abro o blog para atualizá-lo, movido por razões tristes. Mas me alegro surpreso por sua mensagem.
      Muito obrigado!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s