O palácio da donzela

.

.

A donzela, no palácio, isolada.

.

Como aranhas que tecem em silêncio
múmias conspiram nos corredores.

.

A donzela sobressaltada.

.

A névoa se levanta
a tensão se espraia
um fio gelado atravessa as vértebras.

.

A donzela encurralada.

.

Uns paralisados.
Outros choram em desespero.
Muitos à procura de uma corda
— sabe-se lá para que fim…

.

Em terno de corte moderno
costurado em tecido medieval
o cavaleiro branco se move
sorrateiro.

.

— Xeque!

.

São Paulo, 19 de julho de 2015

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s