Prenúncios de Aurora

Padrão

I

Aurora
eu te diviso
ainda tímida
inexperiente

.

das luzes
que vais acender

.

dos bens
que repartirás
com todos os homens

.

– Prenunciou o poeta gauche
em seu sentimento do mundo

.

Antes
muito antes
de nascer
Aurora.

.

.

II

Quando telefonava
clandestina
para encontros
clandestinos
identificava-se

.

Luíza Porto

.

Lola era afável

.

posto que estrábica
muito levemente estrábica
atirava bem
Muito bem

.

até que um dia
não ligou nunca mais.

.

Acabou a poesia.

.

.

III

Há que
haver sobrado
alguma poesia

.

Há que
haver
pelo menos
a certeza poética
emblemática
de que
a luta continua

.

E há que
haver a aceitação
dessa certeza

.

porque não posso
sozinho
dinamitar a ilha de Manhattan

.

e construir uma nova

.

Aurora

.

.

IV

Garimpo solitário
a cada treva

.

o universo
e suas leis
os céus
e suas dinâmicas
o ar
e seus fogos
a terra
e suas águas

.

Depuro
elemento
por elemento

.

Estou quase cego dessa mineração
Mas ainda posso saber
Mas ainda posso alcançar

.

Só não acredito
em desígnios
de deuses

.

Minha Aurora
tem um desenho humano
traçado por mestres
de obras

.

Mas as palavras exatas
ainda fogem à minha bateia.

.

.

V

Aurora
Maria

.

Nascimento Furtado

.

– Lola

.

.

VI

Que saudades
que tenho

.

Da Aurora

.

Da minha vida

.

que Auroras
que Sol
que Vida
que nada.

.

.

VII

Eles assassinaram Aurora

.

Restou ao dia amanhecer
…………………..solitário
……………..em ruptura
…………………..radical

.

Havemos de amanhecer

.

O mundo se tingirá
E o sangue que escorre será doce
de tão necessário
para colorir tuas pálidas faces
Aurora.

Alípio Freire
escritor e jornalista

Publicado em:
“Estação Paraíso”, Ed. Expressão Popular, 2007

Anúncios

About j.constantino

Nascido em Mogi das Cruzes (SP), em setembro de 1986, Jonathan Constantino rascunhou seus primeiros versos em 1999. Perdidos todos nas gavetas e no tempo, desde 2000 mantem o esforço de registrar seus poemas, entre rascunhos (uma pilha, depois uma caixa) e projetos. Formado em Biologia, atualmente é professor da rede pública municipal de São Paulo (SP). Trabalhou na rede pública estadual e, por três anos, no Instituto Técnico de Formação, Pesquisa e Extensão em Agroecologia Laudenor de Souza, em Itaberá (SP). Além da licenciatura, já atuou como educador popular do CDHEP, na zona sul da capital paulistana, e na assistência social de Suzano, cidade onde viveu quase toda sua vida. Ainda, contribuiu com reportagens, artigos, resenhas, poemas e contos para o Jornal Brasil de Fato e revistas Mundo & Missão, Missões e Le Monde Diplomatique Brasil. Está preparando sua primeira publicação.

One response »

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s