Lucifilia

Padrão

.

dedicado a todas as vítimas
da ação da PM paulista
na região da estação da Luz
entre dezembro de 2011
e janeiro de 2012

.

I

Como homens lobotomizados
vagam na escuridão
envoltos em mantos esfarrapados
Sedentos.

.

Fustigados pela vida
mancam das pernas e do espírito
com a mão estendida
(pedindo clemência ou níquel)
ou armados de cacos de vidro
– camuflados na cinza paisagem da metrópole.

.

Atravessaram longas distâncias
em busca da estrela brilhante
que anunciaria a redenção
e a prosperidade
com seus vapores de alfazema e notas amadeiradas…

.

Fracassaram.

.

Noctâmbulos recorrem
a qualquer brilho fugaz
ou pedra preciosa
na desesperada (e inútil)
tentativa de inalar tais anseios.

.

Tal astro de brilho indecifrável
é uma lanterna no fim de um túnel
Estreitíssimo.

.

.Hoje fedem.

.

.

II

Nem todos os zumbis
vagam na noite.

.

Há aqueles que avistaram de relance
a fraca e distante luz
e alçaram novos patamares
……………novos sonhos.

.

Esconjuram entanto
o sem número de infortúnios e provações
a que são submetidos
todos os dias.

.

O beijo da princesa mítica
lhes retirou do brejo e aliviou a cruz.
Mas ainda palmilham com a plebe.

.

Lucífilos incorrigíveis
sentam-se na sala de estar
para receber seus grandes irmãos.

.

Anestesiados
inalam com os olhos
os volúveis e voláteis
vapores de LCD.

.

A escuridão lhes é indiferente.

.

.

III

Não há beijos para todos
e a cruz pesa sobre os ombros.
Sobre os de uns mais que de outros.
Alguns carregam a de terceiros.

.

Machuca os músculos.
Tritura os ossos.
Apaga o espírito.

.

Torna-se habitual.

.

Como as águas da chuva
que escorrem inertes na ladeira
seguem assim.

.

Quando o crepúsculo se apresenta
regressam para casa
vencidos ou esmagados.

.

Sentam-se aéreos
como robôs que recarregam a bateria
como moscas hipnotizadas pela luz.

.

Contemplam um paraíso sem lastro.

.

Justificada sua existência
se entorpecem homeopaticamente
até quando forem suficientes as doses
para tantas dores
que às vezes esquecem sentir.

.

A possibilidade ínfima de encontrar a luz
é o que os separa da escuridão.

.

.

IV

A escuridão é desconhecida.

.

A escuridão é um mistério.

.

Mistérios são armadilhas.

.

.

V

Enquanto todos se entorpecem
Deus mais uma vez
envia seus quatro arautos
para restabelecer a ordem
na madrugada.

.

O rubro cavaleiro da gratidão
sorrateiro e silencioso
se aproxima
batendo suas cinco asas amarelas
criando um turbilhão
e tomando de surpresa
aqueles que vagam ou definham
invisíveis nas ruas.

.

Ainda tontos
mal sentem o golpe
das três lanças vermelhas
do negro cavaleiro da guerra
com seu ornitológico corpo
saído do mais alto lugar da Terra.

.

Caídos no chão
os corpos aguardam a morte
sem agonia.

.

Saído do barro escondido sob o asfalto
o cavaleiro com pés de pluma
e suas cinco merletas negras
alça aos céus
os despojos do ataque
sem deixar vestígios.

.

Depositados os corpos
onde habitam todas as rapinas
o cavaleiro vermelho
dá o golpe derradeiro
naqueles que não deixarão saudade.

.

.

VI

A escuridão persiste.

.

Será preciso mais que essa madrugada
para dissipá-la.

.

Mas Deus não desiste
(embora seja repetitivo)
e seus guerreiros são incansáveis.

.

.

VII

O sol desponta.

.

Com uma vaga lembrança
sobre o que ouviram falar
da divina ação na madrugada
zumbis e robôs
seguem
o roteiro transmitido na noite anterior
Felizes ou exaustos.

.

A realidade é um show
e tem que continuar.

.

.

Anúncios

About j.constantino

Nascido em Mogi das Cruzes (SP), em setembro de 1986, Jonathan Constantino rascunhou seus primeiros versos em 1999. Perdidos todos nas gavetas e no tempo, desde 2000 mantem o esforço de registrar seus poemas, entre rascunhos (uma pilha, depois uma caixa) e projetos. Formado em Biologia, atualmente é professor da rede pública municipal de São Paulo (SP). Trabalhou na rede pública estadual e, por três anos, no Instituto Técnico de Formação, Pesquisa e Extensão em Agroecologia Laudenor de Souza, em Itaberá (SP). Além da licenciatura, já atuou como educador popular do CDHEP, na zona sul da capital paulistana, e na assistência social de Suzano, cidade onde viveu quase toda sua vida. Ainda, contribuiu com reportagens, artigos, resenhas, poemas e contos para o Jornal Brasil de Fato e revistas Mundo & Missão, Missões e Le Monde Diplomatique Brasil. Está preparando sua primeira publicação.

13 responses »

    • Oi Nanda,
      Muito obrigado pelos comentários e pelas visitas. E é bom saber quando algo que produzimos faz sentido para as pessoas.

      Beijo,

      J.

    • Oi Mayra,
      Fico agradecido, mas (sem falsa modéstia) não sei se é tudo isso. De qualquer forma, é bom contar com a sinceridade dos amigos.
      Um beijo,
      J.

    • Salve salve grande amigo e sambista!
      Obrigado por suas palavras de amizade e, fique a vontade, porque neste boteco essa cachaça é sempre gratuita!
      E bom começo de ano também!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s