Em busca

.

IMORTAL

.

Deixe estar, minhas pobres mãos.

.

Deixai-lhes cuspir no papel
o que se passa em segredo comigo.

.

As palavras devem sair
da minha corrente sanguínea
de alguma forma
de qualquer forma

.

Ou me matarão.

.

A caneta é uma faca
que corta profundamente a minha pele.

.

Meu veneno escorre livre
e mancha lentamente minha pele
de papel
e me deixa viver.

.

.

ANIVERSÁRIO

.

os ponteiros rodam despercebidos
e deixam suas marcas

.

numa manhã nasci
numa tarde fui adolescente.
e de repente
– nesta noite sem lua –
sou um quarto de século de história

.

.

O QUE RESTA

.

Se a poesia falha
Se as palavras são imprecisas
Se é muito longa a distância entre elas
Se as pernas estão fracas demais para alcançá-las
Se o coração estiver morto para o amor

.

O que resta?

.

.

___________________________________________________________________________________________________________

Os três pequenos poemas acima são traduções de textos de minha amiga Nanda Fogli, brasileira que está estudando na Nova Zelândia. Acabamos por nos conhecer através dos poemas e da internet.

Desde lá, temos conversado, trocado opiniões e produzido cada um seus textos, a partir de seus repertórios de vida.

Particularmente tenho ficado contente com os resultados dos textos dela e enxerguei nestes três, vistos em conjunto, um todo poético interessante: pequenos poemas individuais que, em bloco, funcionam muitíssimo bem.

Para aqueles/as que se interessaram pelos textos desta minha amiga, visitem seu blog Cenicitas.

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s