José Paulo Paes

.

MADRIGAL

.

Meu amor é simples, Dora,
como a água e o pão.

.

Como o céu refletido
nas pupilas de um cão.

.

.

.

CANÇÃO SENSATA

.

Dora, que importa
O juiz que escreve
Exemplos na areia,
Se livres seguimos
O rastro dos faunos,
A voz das sereias?

.

Dora, que importa
A herança do avô
Sob a pedra, nua,
Se do ar colhemos
Moedas de sol,
Guirlandas de lua?

.

Dora, que importa
Esse frágil muro
Que defende os cautos,
Se além do pequeno
Há horizontes loucos,
De que somos arautos?

.

De maior beleza
É, pois, nada prever
E à fina incerteza
De amor ou viagem
Abrir nossa porta.
Dora, isso importa.

.

.

.

PEQUENO RETRATO

.

Nunca vislumbrei
No momento exíguo,
No dia contigo,
O dia contíguo.

.

Sempre desprezei
A estrela sinistra,
O falso zodíaco,
A esfera de cristal
E o terceiro aviso
Do galo matinal.

.

Como submeter
O desejo ao fado,
Se todo prazer
Ri da cautela,
Ri do cuidado,
Que o quer prender?

.

Vou despreocupado,
Dora, tão despreocupado,
Que nem sei morrer.

.

.

.

EPIGRAMA

.

Entre sonho e lucidez, as incertezas.
Entre delírio e dever, as tempestades.
Ai, para sempre serei teu prisioneiro
Neste patíbulo amargo de saudades…

.

.

.

_________________________________________________________________________________________________

José Paulo Paes

Os poemas acima foram escritos pelo poeta, tradutor, crítico literário e ensaísta José Paulo Paes, nascido em Taquaratinga (SP), em 1926. É um dos grandes poetas brasileiros, embora sua obra seja pouco conhecida, principalmente entre os mais jovens.

Os poemas apresentados são parte do livro Cúmplices, de 1951. Os recolhi do exemplar que tenho de Os melhores poemas, selecionado por Davi Arrigucci Jr. Como salienta Arrigucci em sua apresentação do livro, não são a obra-prima deste poeta singular. Porém um poema como Madrigal é “uma equação amorosa nascida das coisas mais simples [e] se expande em reflexos no universo inteiro, unindo o pequeno e o grande, a partir da declaração de amor à musa sempiterna, Dora”.

Vale a pena conferir a obra de José Paulo Paes. Para não me alongar muito, encerro com as precisas palavras de Arrigucci:

Pode-se ler a poesia de José Paulo Paes, breve e aguda a cada lance
em sua tendência constante ao epigrama, como se formasse um só
cancioneiro da vida toda de um homem que respondeu com poemas
aos apelos do mundo e de sua existência interior.”

Davi Arrigucci Jr, em “Os melhores Poemas de José Paulo Paes”
Global Editora, 3ª ed., 2000

5 comments

  1. POEMA

    Atrás das cabeças fechadas dos tortos

    Eu fico procurando uma luz reta que ás vezes encontro.

    E eles nem sabem quando eu, poeta, os deixo nú

    Diante dos outros.

    Os pobres cabeças fechadas, os pobres cabeças cegas

    Que diante da seta dos meus versos deixam cair as máscaras.

    Sérvio Tílio de Mascarenhas Lima

    ( VIVA A JOSÉ PAULO PAES )

    Gostar

  2. Ainda de José Paulo Paes:

    AUTO-EPITÁFIO Nº 2

    para quem pediu sempre tão pouco
    o nada é positivamente um exagero

    (In Socráticas – publicação póstuma)

    Putabraço,
    Alipio Freire

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s