Chuva e trovão

.

Fazia frio.

.

Exausta, apreciava a chuva
a desabar sobre a cidade.

.

Refugiei-me debaixo do chuveiro.

.

A esponja ensaboada
– carícias em minha pele.

.

Mergulhada na neblina do banheiro
a água quente a deslizar por meu rosto
………………………….beijar meus seios
……………………….abraçar meu corpo

.

………Molhava-me

.

Enxurrada delírio trovão.

Jonathan Constantino
São Paulo, 29 de setembro de 2009

8 comments

    • Este exercício (eu-lírico feminino) é um dos que particularmente me atrai, embora seja muito difícil, para não se tornar nem caricato e nem uma “mulher pelos olhos de um homem”. É um limite a ser enfrentado. Às vezes sem sucesso. Às vezes se consegue.

      Gostar

Deixe uma Resposta para Marcos de Sá Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s