Chuva e trovão

.

Fazia frio.

.

Exausta, apreciava a chuva
a desabar sobre a cidade.

.

Refugiei-me debaixo do chuveiro.

.

A esponja ensaboada
– carícias em minha pele.

.

Mergulhada na neblina do banheiro
a água quente a deslizar por meu rosto
………………………….beijar meus seios
……………………….abraçar meu corpo

.

………Molhava-me

.

Enxurrada delírio trovão.

Jonathan Constantino
São Paulo, 29 de setembro de 2009

8 comments

    • Este exercício (eu-lírico feminino) é um dos que particularmente me atrai, embora seja muito difícil, para não se tornar nem caricato e nem uma “mulher pelos olhos de um homem”. É um limite a ser enfrentado. Às vezes sem sucesso. Às vezes se consegue.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s