Aurora

dos diálogos com Carlos Drummond de Andrade
e com Alípio Freire

.

Havemos de amanhecer, camaradas
mesmo que a noite
de aparência interminável
Persista.

.

Embora lamacento e movediço
é este o caminho que temos.
Embora incertos e inseguros
nossos passos são o que temos de mais concreto.

.

Nossas vistas
já acostumadas com o breu
não reconhecem flores buracos mariposas.
Para evitar maiores quedas
é preciso tatear o caminho
……………..seus contornos
……………………..entornos
……………………..entraves.

.

Abatidos carregamos cicatrizes
hematomas e um coração ferido.

.

Em nossa pele as marcas
do muro que se desfez
do fuzil tirado de nossas mãos
(com o qual nos balearam)
das frustradas tentativas de trincheira
da estrela tão luminosa que se apagou.

.

A noite nos surpreendeu.

.

Mas não há por que desespero
ou confiança cega
− a manhã já mostra seus sinais.

.

Havemos de receber no rosto
os primeiros raios de sol a iluminar nossas faces
− havemos de enfrentar o dia
e o risco do entardecer.

.

Quando o crepúsculo se elevar no horizonte
não entremos em pânico
nem definhemos saudosos de alvoradas do passado.

.

No romper da nova noite
talvez já não creiamos em auroras.

.

Cada madrugada traz seus riscos
e a possibilidade de novas manhãs
− até que o universo anoiteça definitivamente.

.

Nesta madrugada de densa escuridão
não podemos resignar nossos passos
amputar o caminho já feito

.

É imprescindível seguir.

.

Jonathan Constantino
13 de dezembro de 2009

9 comments

  1. Pode parecer loucura minha, mas as vezes acho tão desnecessária essa preocupação pelo amanhecer, entardecer, anoitecer. É inevitável que se chegue esse momento pra quem fica. Nos preocupamos com o certo e nos esquecemos do que realmente interessa, o caminho. Quando o crepúsculo der seus primeiros sinais, serão sinais de existência e não de vida e então talvez nos arrependamos do caminho trilhado. É inevitável que se chegue, sofrer, sofrer tanto, é opcional.

    Você dialogou com drummnond, mas o que veio em meus pensamentos mesmo, foi Bandeira.

    Gostar

    • Pois é, meu querido amigo. Flagelar-se de sofrimento é uma opção. E uma opção que não muda o que já se trilhou. E o caminho é o que se fez e quando a aurora (ou o crepúsculo) vier (e se vier), que venha com aquilo que tiver em sua bagagem:

      “Procurem por toda à parte
      Pura ou degradada até a última baixeza
      Eu quero a estrela da manhã.” (M. Bandeira)

      Um abraço enorme

      Gostar

  2. Em casa breu, nosso coração recebe uma camada de uma espécie de verniz e vamos nos endurecendo com o tempo. Porém é preciso acreditar no hoje e continuar… senão só nos resta viver uma vida vazia e sem graça. Esta poesia calhou pra um dia de sol como hj!bjusss

    Gostar

  3. Nossas vistas
    já acostumadas com o breu
    não reconhecem mariposas flores buracos.
    Para evitar maiores quedas
    é preciso tatear o caminho
    …………………..seus contornos
    …………………………..entornos
    …………………………..entraves.

    Amo você!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s